sábado, 26 de dezembro de 2020

Vem 2021 com mais estratégia e menos improviso

Vem 2021 com mais estratégia e menos improviso - YouTube

Quando a pandemia nos atingiu percebemos que algumas coisas que fazíamos pararam de funcionar e surgiram outras oportunidades. Agora, terminando o ano, observei algo bastante surpreendente. Precisamos fazer ajustes permanentes no mundo dos negócios e desenvolver novas oportunidades com base na realidade mundial que está surgindo.

 

Triste? Um pouco. Necessário? Absolutamente. Algo mais permanente está se estabelecendo.

 

Acho que minha mudança mental é o resultado de conseguir aceitação - talvez este seja o estágio final em um processo de luto. Todos nós queremos 2019 de volta. Não podemos ter 2019 de volta. Isso não significa que não podemos ficar tristes com o que foi perdido, mas é hora de seguir em frente e abraçar o que está por vir. Vem 2021!


Ouça o Podcast 




As áreas em que me atuo - educação universitária, consultoria estratégica e palestras - não estão temporariamente suspensas, estão sendo transformadas e eu também preciso me transformar. Algo assim acontece com você?





 

Mas antes, vamos só relembrar um pouco do que aconteceu em 2020: assistimos ao fato de que décadas aconteceram em semanas, culminando com a migração do consumo brasileiro para o digital. Paralelo isso aprendemos que dá sim para atuar em home office e isso trás uma nova perspectiva das relações de trabalho no Brasil pós-COVID. Como você está no meio disso tudo?

 

Aprendemos com a pandemia que dá para ter educação online (claro que com melhorias necessárias a serem feitas, mas como sempre falo, nunca nada está pronto) e também a se preocupar com a segurança na internet. Surgiu a LGPD.

 

Apaixonados pela transformação digital, os brasileiros têm procurado por produtos e serviços de startups como nunca. Além disso, novas conexões e mais fortes se formaram durante estes tempos.

 

Pense para 2021 com mais estratégia e menos improviso. Essa é minha grande dica. Com tantas lições que tivemos nos últimos meses, há coisas para pensarmos bem mais interessantes do que esperar o fim da crise que ainda está por aqui.


1. Desenvolva o seu lado CMO (Chief Market Office): O CMO tem como função ir além do que a prática do marketing das últimas décadas ensina, em que a comunicação, as estratégias mercadológicas, a definição de mercados e a gestão dos perfis de consumo se notabilizaram como suas atividades essenciais. Ele precisa incorporar muitas outras novas funções, responsabilidades e entregas, além de sofisticar ainda mais o que já fazia antes. Dentre essas tarefas está conhecer sobre logística estratégica e da distribuição física e/ou digital de produtos e serviços da empresa. Ser um gestor da performance cotidiana e, no mundo digital, em tempo real, das vendas da empresa. Precisa ser mais responsável na gerência de canais, bem como na jornada e conversão dos clientes. Pensar, gerir e otimizar os resultados de plataformas e práticas omnichannel; dominar ferramentas e plataformas tecnológicas de suporte a tudo isso; controlar sistemas de business intelligence para conhecer e atualizar de forma recorrente as velozes alterações de humor e comportamento do mercado para ajustar-se, também em tempo real, às transformações da sociedade e do público que se altera a todo o instante; e, finalmente, se responsabilizar pelos efetivos resultados da empresa como um todo.


Isso tudo transforma um profissional de marketing em um profissional de negócios. Ainda mais estratégico e vital para a empresa do que sempre. Um verdadeiro CMO.

2. As marcas precisarão assumir um lado ou não - decida por você: Ainda veremos a polarização sociocultural e política que assola o Brasil e boa parte do planeta. Essa é uma tendência que cada vez mais desafia os gestores a decidir os propósitos e posicionamentos de marcas, em tempos nos quais manifestar somente a empatia já não é visto como suficiente pelo público cada vez mais crítico e influente. Se uma marca não se posicionar contra alguma coisa, pode passar a ser vista como a favor. E caso essa marca se manifeste a favor de algo, estará contra outras coisas. A grande questão é escolher qual o seu lado, caso isso seja preciso. Tempos difíceis, não é mesmo?

 

A regra é prestar atenção para o fato de que as marcas podem e devem ser agentes de igualdade, equidade e inclusão daqui para a frente, mais do que nunca.

 

3. Entenda o futuro do marketing pós-pandemia: Percebemos mudanças profundas já atingindo nossa profissão, carreira e empresa, desde a forma como seus mercados operam, a forma como todos precisamos trabalhar, até o talento e as capacidades de que todos irão precisar para sermos eficazes no futuro (que é desde já). Com relação ao mercado, pesquisam mostram que os gestores precisam operar em um cenário onde o planejamento tradicional e os processos não atendem mais às necessidades do negócio.

 

Até organizações que já eram digitais antes da pandemia terão seus processos acelerados pela demanda dos consumidores. A velocidade de transformação apresenta armadilhas para algumas empresas, pois nem todas conseguirão desenvolver as competências digitais necessárias para continuar com os negócios. Como está a sua empresa ou carreira nessa tendência?

 

Os consumidores buscarão cada vez mais segurança e conforto, se voltando ao que conhecem e confiam. Para se adaptarem às mudanças externas, as empresas deverão promover mudanças internas, que exigirão novas maneiras de pensar e trabalhar. Os mercados estão exigindo inovação mais rápida e criativa. As mensagens com propósitos específicos e ações que as apoiam são mais relevantes do que nunca e a mudança voltada à execução de marketing dependerá ainda mais fortemente de dados e análises.

 

4. Tendências para a mídia: Está previsto o fortalecimento do marketing de influência, enquanto o e-commerce se integrará cada vez mais com as redes sociais (que serão verdadeiros portais de vendas, mais do que relacionamento). Parte da população, na base da pirâmide de consumo, ressignificou o tempo em casa e o convívio com a família e haverá uma valorização da televisão como ponto de encontro para interação social. Creio que o streaming será fundamental nesse período. Aplicativos de interação serão fundamentais também.

 

5. Marketing Digital: As marcas devem tornar-se agentes de transformação, principalmente nas suas plataformas de redes sociais, comunicando os seus valores e posicionamento social com conteúdo interessante, empático, humano e relevante nos seus feeds.

 

Além disso, o próximo ano reforçará a importância da humanização das relações. Personalizar as experiências online é e continuará a ser fundamental para as marcas que deverão estabelecer um diálogo atento e de confiança com o público. Desta forma, opções como os chatbots, conteúdos personalizados e segmentados de acordo com os interesses dos usuários (via e-mail, por exemplo), a criação de grupos privados e serviços de apoio ao cliente humanizados serão estratégicos.

A criação colaborativa também estará em pauta. Os meios de produção de conteúdo massificam-se, democratizando-se, com foco profundo em criatividade. Num momento em que até os influenciadores podem atingir saturação (se a autenticidade e proximidade com os seguidores não for cultivada), os usuários das plataformas de redes sociais se aventuram, cada vez mais, a ter um envolvimento criativo nas ações das marcas, das celebridades e dos próprios influencers.

 

6. Seja o profissional do futuro já em 2021: Profissionais admirados devem buscar soluções diferentes e pensar fora da caixa tradicional. Essa mentalidade deve ser inserida na carreira profissional e apresentar uma visão inovadora tornou-se essencial para se destacar no mercado como um profissional do futuro (desde já!). 

 

Busque diferentes estímulos, consuma novas referências para adquirir conhecimentos para enaltecer o nosso poder de desenvolvimento pessoal e profissional. Não basta ter uma ideia, independentemente da área de atuação, mas colocá-la no papel é fundamental. Mãos na massa!

 

Disciplina e a capacidade de escutar e de integrar são habilidades importantes para se iniciar o pensamento inovador. Hoje sabe-se apenas o que deverá ser resolvido. O “como” você deve buscar. A habilidade de auto resolução e um trabalho mais autônomo com a cobrança por resultados é a tônica do momento. Estude métodos ágeis para melhorar nesse aspecto.

A inspiração para um novo negócio ou uma ideia genial pode surgir dos lugares mais inesperados: desde uma aula ou palestra até em uma simples conversa com os amigos. Portanto, exercite a criatividade. É importante sempre atentar-se aos acontecimentos em tempo real e saber quem são os criadores de conteúdo do seu setor e estar atento às opiniões diversas. Encarar outros pontos de vista é fundamental para que se possa analisar todos os lados de uma situação e encontrar uma solução inovadora. Diversidade e inclusão são fundamentais!

Mais algumas dicas: obtenha fluência digital estudando sempre e com isso desenvolva a sua  criatividade, a capacidade de tomar medidas hoje e causar impacto que transcende os limites da função, unindo marcas e equipes, transmitindo um sentido às coisas e criando as conexões significativas que as pessoas buscam hoje.

 

As demandas de empresas por profissionais estão constantemente se transformando. O panorama atual exige pluralidade de conhecimentos: as soft skills são tão importantes quanto as hard skills por se complementarem. As empresas buscam um profissional cada vez mais completo, que seja comunicativo e proativo, ao mesmo tempo que saiba encarar uma planilha.

É claro que o ano que está chegando ainda é uma grande incógnita: nós e o mundo estamos mais vulneráveis e suscetíveis, o que nos exige um sentido de responsabilidade elevado. Nossa agilidade e adaptabilidade serão a base da nossa sobrevivência, enquanto marcas e pessoas. Devemos colocar o marketing digital em ação com criatividade, respeito pela individualidade de cada público e princípios bem definidos.


Vem 2021!

Prof. Alberto Claro

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...