segunda-feira, 17 de março de 2014

Como citar e referenciar entrevistas com sujeitos em um trabalho acadêmico-científico

avisosUma dúvida recorrente apresentada por pesquisadores e alunos é como se deve apresentar no texto, citar e referenciar uma entrevista concedida por um sujeito em pesquisa, o que é muito comum quando a escolha metodológica é qualitativa ou baseada em triangulação.

 

 

Postagens com tema correlato para você utilizar:

O que é uma nota de rodapé (ou explicativa ou de referência) em um texto científico e para que serve?

Redação científica e normas para elaboração de trabalhos acadêmicos: dicas úteis

Essa questão das entrevistas possui muitas variações de entendimento e preferências, portanto, vou deixar aqui as minhas práticas e mais algumas dicas de qualidade que encontramos nesse mundão virtual .

Particularmente, eu gosto de deixar as citações extraídas de entrevistas em formato próximo ao formato de citações longas no estilo ABNT, NBR 10520:2002 e a NBR 6023:2002 que tratam do tema.

Mas não já uma regra rígida e sim um senso comum ou uso comum/popular

Algumas instituições explicitam essas em seus manuais de orientação, ou cada orientador tem o seu estilo na hora de pedir isso ao seu aluno, ou ainda, cada pesquisador tem a sua forma.

Um exemplo fictício de referência de entrevistado (quando se identifica o sujeito) baseado no que diz a NBR 6023:2002:

CICRANO, José Beltrano Fulano. O nome popular: depoimento
[jun. 2013]. Entrevistador: J.A.C.S. Claro. Santos:
UNIFESP, 2013. 1 cassete sonoro. Entrevista concedida ao Projeto
Nomes Populares.

O Sobrenome SILVA que poderia ser citado no texto, como (CICRANO, 2013) pode também ser substituído pelo nome de ENTREVISTADO (se tiver mais que um pode-se numerar a partir do 1) e se usado ao final do trecho usado literalmente e colocado entre parênteses. O recuo do parágrafo com a citação deve ser de 4 cm da margem esquerda e o tamanho da letra um ponto menor do que o do restante do texto, conforme a NBR 10520:2002.

Um exemplo fictício de citação de entrevistado (quando se identifica o sujeito) baseado no que diz a NBR 10520:2002:

image

Um exemplo fictício de referência de entrevistado (quando se identifica o sujeito) baseado no que diz a NBR 6023:2002:

image

Nesse exemplo acima, não se referencia ao final do texto.

Leia a dica dos elaborada pela equipe de bibliotecários da Biblioteca da Escola de Administração da UFRGS.

Cuidado com a divulgação dos nomes dos entrevistados sem a sua devida autorização ou mesmo, em alguns casos, como na área da Saúde, se o seu projeto de pesquisa com seres humanos foi aprovado por um Comitê de Ética Institucional ou Independente.

Ver Ética em Pesquisa direto na Plataforma Brasil

Dicas para leitura complementar sobre o tema:

TENHA ACESSO A ESSES MATERIAIS ABAIXO CLICANDO NA FIGURA

avisos

 

BELEI, R. A.; GIMENIZ-PASCHOAL, S. R.; NASCIMENTO, E. N.; MATSUMOTO, P. H. V. R. O Uso de Entrevista, Observação e Videogravação em Pesquisa Qualitativa. Cadernos de Educação | FaE/PPGE/UFPel, v. 30, p. 187–199, 2008.

BROUSTAU, N.; JEANNE-PERRIER, V.; CAM, F. LE; PEREIRA, F. H. A entrevista de pesquisa com jornalistas. Sur le journalisme, About journalism, Sobre jornalismo [En ligne], v. 1, n. 1, p. 14–21, 2012.

BUSANELLO, J.; LUNARDI FILHO, W. D.; KERBER, N. P. DA C.; et al. Grupo Focal como técnica de coleta de dados. Cogitare Enferm., v. 18, n. 2, p. 358–364, 2013.

CAMACHO, M. M. Apuntes sobre la opinión pública a pie de calle. Revista de Comunicación de la SEECI, v. XV, n. 28, p. 1–10, 2012.

CAREGNATO, R. C. A.; MUTTI, R. Pesquisa qualitativa: análise de discurso versus análise de conteúdo. Texto Contexto Enferm, v. 15, n. 4, p. 679–684, 2006.

FAPESP. Código de boas práticas científicas, 2012.

GARCÍA, L. F. J. Metodología para realizar biobibliografías. E-Ciencias de la Información, v. 2, n. 2, p. 1–11; artículo 3, 2012.

HADDOUK, L.; GOVINDAMA, Y.; MARTY, F. A Video Interview Experience. Cyberpsychology, behavior and social networking, v. 16, n. 5, 2013.

KIND, L. Notas para o trabalho com a técnica de grupos focais. Psicologia em Revista, v. 10, n. 15, p. 124–136, 2004.

LEFEVRE, F.; LEFEVRE, A. M. C.; MARQUES, M. C. DA C. Discurso do sujeito coletivo, complexidade e auto-organização. Cência & Saúde Coletiva, v. 14, n. 4, p. 1193–1204, 2009.

WEBER, F. A entrevista, a pesquisa e o íntimo, ou: Por que censurar seu diário de campo? Horizontes Antropológicos, v. 15, n. 32, p. 157–170, 2009.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...