terça-feira, 12 de julho de 2005

Entrevista do Prof. Alberto Claro, ao Jornal A Tribuna de Santos, sobre as taxas praticadas pelos bancos.

Caixa vai expandir penhor na região
Entrevista do Prof. Alberto Claro, ao Jornal A Tribuna de Santos, sobre as taxas praticadas pelos bancos.

Terça-Feira, 12 de Julho de 2005, 07:23
Caixa vai expandir penhor na região
Da Reportagem

  A Caixa Econômica Federal (Caixa) pretende ampliar o número de agências na Baixada Santista que oferecem o penhor, uma das opções de crédito mais antigas da instituição.
  Atualmente, as três agências da Cidade que operam o sistema de crédito respondem por 33 mil contratos de empréstimos. Os valores não foram divulgados, por motivos de segurança. Só foi informado que 10% dessas operações são relativas ao micropenhor, destinado ao público de baixa renda.
  A iniciativa integra uma campanha realizada em nível nacional, que visa recuperar o mercado do penhor, hoje estagnado em função da expansão de outras modalidades, como o empréstimo por consignação.
  Segundo o gerente regional de comunicação da Caixa, Aldo Rigueiral, neste mês, Santos passará a contar com mais duas agências bancárias, sendo uma na Vila Mathias, inaugurada ontem, e outra no Centro, prevista para entrar em operação no próximo dia 29. Deve ocorrer a abertura de mais uma unidade no Bairro da Aparecida nos próximos meses.
  Rigueiral informa que a Gerência Regional da Caixa também está analisando a possibilidade de ampliar a oferta para as cidades de Praia Grande e de Guarujá. Hoje, além das três agências já citadas em Santos, somente as unidades de Vicente de Carvalho e de São Vicente oferecem essa modalidade.
  ‘‘Existe realmente esta disposição. Estamos precisando apenas definir as estruturas das novas agências, para ver se será possível implantar o serviço’’, assinala Rigueiral.
  Em Santos, a Caixa passará a contar com 10 agências ainda este ano. ‘‘Antes do plano de expansão, havia cinco agências. Iremos avaliar o desempenho obtido com esse redimensionamento da estrutura atual, para depois definir se vai ser necessário ampliar a oferta de agências com operações de penhor’’.
  A facilidade de acesso é o principal atrativo da modalidade. Não é necessário comprovação de renda e nem possuir restrições cadastrais para obter o dinheiro. O interessado só precisa levar documentos pessoais (identidade, cadastro de pessoa física) e o comprovante de residência, para conseguir o empréstimo.
  A modalidade tradicional do penhor opera hoje com taxas de 2,53% ao mês para empréstimos de até R$ 300,00 e 3,22% para empréstimos acima desse valor, limitados a R$ 50 mil desde fevereiro deste ano. Já para os contratos de micropenhor, o limite mínimo de empréstimo é de R$ 50,00 e o máximo de R$ 15 mil.
  O empréstimo corresponde a 80% do valor de avaliação do bem penhorado. Se o valor for de R$ 300,00, a taxa mensal é de 2,60%, enquanto que acima disso, passa a ser de 3,25%. Os prazos de pagamento são de 30, 60, 90 e 120 dias.
  O chamado crédito consignado, que compreende desconto em folha de pagamento, oferece índices mais baixos, que variam de 1,75% a 2,60%. Porém, inclui a exigência de não haver restrições cadastrais do interessado. ‘‘São modalidades diferentes, que dependem mais da necessidade e da possibilidade do interessado’’, afirmou Rigueral.
  O professor José Alberto Claro, do curso de pós-graduação da Universidade Católica de Santos (UniSantos), explica que as duas modalidades possuem, na essência, a mesma diretriz. Ou seja: o empréstimo com taxas mensais. ‘‘No caso do penhor, o banco aplica uma taxa de juros maior porque, em muitos casos, o proprietário não vai resgatar o bem penhorado, que acaba tendo que ser leiloado’’.
  O especialista recomenda cautela na hora de definir por uma modalidade de empréstimo. ‘‘Esta deve ser sempre a última alternativa. O melhor caminho é o controle das despesas domésticas. Procure gastar sempre de acordo com a sua renda’’, conclui.

Onde encontrar o penhor?
Santos
Avenida Conselheiro Nébias, 761, Boqueirão
Rua Marcílio Dias, 170, Gonzaga
Rua General Câmara, 15, Centro

São VicentePraça Barão do Rio Branco, 71, Centro

GuarujáAvenida Thiago Ferreira, 600, Distrito de Vicente de Carvalho

Fonte: Caixa
Saiba mais
Recentemente, a Caixa Econômica Federal (Caixa) constatou em uma pesquisa que a maior parte dos clientes que utiliza o penhor são mulheres (74%), sendo 55% com faixa etária entre 35 e 50 anos. Outra característica apontada pelo levantamento mostrou que quem faz empréstimo é, geralmente, autônomo ou possui negócio próprio, ou é funcionário do setor público ou privado.
http://atribunadigital.globo.com/bn_conteudo.asp?cod=207110&opr=103
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...